Fomento Paraná bate recorde de contratos liberados em um dia
04/06/2020 - 15:43

A Fomento Paraná bateu um recorde diário no número de empréstimos em um único dia. Nesta terça-feira (02) foram liberados 402 contratos das linhas Paraná Recupera, microcrédito e de repasses de recursos do BNDES. “Este é um marco histórico para a instituição. O número de contratações em um único dia chegou quase na média de 470 contratações por mês que realizamos em 2019, quando batemos recordes no microcrédito”, compara Heraldo Alves das Neves, diretor-presidente da instituição. “Ainda temos muito a melhorar e evoluir, mas nosso time está de parabéns”.

De acordo com o diretor, a tendência é imprimir ainda mais velocidade na análise e aprovação dos financiamentos a partir da movimentação interna dos quadros de colaboradores e estagiários, com mais pessoas dedicadas à área de Operações do Setor Privado.

“Havia um estoque de propostas e recebemos mais de 28 mil pedidos novos a partir de 27 de março, com o lançamento do programa Paraná Recupera, pelo governador Ratinho Junior”, relata Everton Ribeiro, diretor de Operações. “Foram analisadas 12,4 mil propostas desde então. Aprovamos 8 mil e outras 4.400 foram excluídas por motivos diversos. Estamos trabalhando em outras 21 mil solicitações e a cada dia chegam novos pedidos”.

 

TAXA DE JUROS — A grande procura pelo crédito da Fomento Paraná durante esse período mais crítico da pandemia, que provocou a redução das atividades econômicas e da renda, deve-se principalmente pela taxa de juros.

A linha Paraná Recupera, por exemplo, criada para apoiar empreendedores informais, MEIs, micro e pequenas empresas, com créditos de R$ 1.500 a R$ 6.000, oferece uma taxa de juros fixa de 0,41% ao mês, sem cobrança de tarifa de concessão de crédito nem Imposto sobre Operações Financeiras (IOF), informa o diretor de Operações do Setor Privado.

Nas outras linhas de crédito da Fomento Paraná a taxa de juros sofre variações de acordo com a análise de risco de crédito, análise cadastral, também do tipo de garantia oferecida, além da tarifa de concessão de crédito.

“No microcrédito, por exemplo, para valores de até R$ 20 mil, nossa menor taxa de juros parte de 0,76% ao mês, no Banco da Mulher Paranaense”, explica Ribeiro. “Dependendo do objetivo e do tipo de linha de crédito, temos taxas que partem de 0,45% ao mês, para projetos investimento. Mas neste momento o mercado demanda capital de giro, que é um dinheiro naturalmente mais caro. Ainda assim, temos taxas para giro a partir de 0,61% ao mês.”

 

GARANTIAS - As garantias são um fator à parte, que tem custo diferenciado, que não é da Fomento Paraná. Segundo o diretor, a falta de garantia é um dos principais fatores que dificultam o acesso ao crédito e por isso foram criadas alternativas como as cartas de garantia emitidas por Sociedades Garantidoras de Crédito (SGC), o Fundo Garantidor para Investimentos (FGI BNDES) e o Fundo de Aval Garantidor, que foi apresentado recentemente pela Fomento Paraná e neste momento está sendo destinado integralmente para atender aos contratos de crédito em capital de giro firmados por meio da linha Fomento Turismo, que tem recursos do Fungetur.

Esses mecanismos de garantia aumentam as chances de aprovação dos pedidos de crédito e também permitem obter o crédito em condições mais favoráveis. Em geral um fundo garante até 80% do valor contratado e podem ser exigidas garantias complementares do tomador do crédito, para a parte não coberta pelo fundo.

“Nós aceitamos o aval de terceiros, garantias reais, como bens imóveis, e também os fundos de aval ou garantidores, mas cada mecanismo tem um custo próprio, que impacta no custo total do financiamento”, reitera Ribeiro.

 

SUSPENSÃO DE PAGAMENTOS - Além do crédito novo, a Fomento Paraná tem oferecido aos atuais mutuários a possibilidade de suspender os pagamentos e renegociar os contratos, estendendo os prazos de pagamentos sem cobrar tarifa ou alterar as taxas de juros. Dessa forma, já foram renegociados mais de 2.190 contratos, que somam R$ 96 milhões em valores que permanecem à disposição das empresas por períodos de 90 ou 180 dias.