• Português
  • Telefone da Nova Central de Atendimento Fomento Paraná
  • cataratas
  • ligeirão
  • Campo3
  • Unidade Móvel
  • milho
  • Maringá
  • afpr
  • torrado
  • barreado
  • afpr
  • pinheiros1
  • afpr
  • ilha
  • curitiba
  • Se você precisa
  • Paranaguá
  • Ilha do Mel

Serviços

Notícias

25/01/2018

Fomento Paraná integra Programa de Energias Renováveis

O governador Beto Richa autorizou nesta quinta-feira (23/1), por meio do decreto Decreto 8673/2018, a participação da Fomento Paraná no Programa Paranaense de Energias Renováveis como organismo que poderá oferecer linhas de financiamento para empreendimentos de geração, transporte, transmissão e consumo de energia renovável.

A Fomento Paraná já mantém em seu portfólio a linha de crédito Fomento Energia, voltada a financiar projetos de melhoria da eficiência energética que visem a aquisição de equipamentos para geração de energia a partir de fontes renováveis ou para substituição de lâmpadas e equipamentos equivalentes. É possível financiar a aquisição e a instalação de todos os componentes de sistemas de micro e minigeração de energia elétrica fotovoltaica, eólica ou de biomassa.

A Fomento Paraná também mantém um convênio com o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) para desenvolver programas de financiamento voltados a projetos que envolvam eficiência energética.

O Banco de Desenvolvimento do Extremo Sul – BRDE, também poderá oferecer linhas específicas de financiamento para esses empreendimentos.

PROGRAMA — O programa Paranaense de Energias Renováveis será coordenado pela Secretaria do Planejamento e Coordenação Geral – SEPL. O objetivo é promover e incentivar a produção e o consumo de energia oriunda de fontes renováveis, em especial a biomassa, a eólica e a solar, contribuindo para o desenvolvimento sustentável do Estado do Paraná.

Para fins deste programa entende-se por Energia Renovável a energia elétrica, térmica, ou contida em combustível líquido e/ou gasoso, que tenha por origem o aproveitamento de resíduos orgânicos vegetais da agricultura, urbanos, da gastronomia, dos dejetos de animais e de resíduos de abate e do seu aproveitamento, do esgotamento sanitário humano, bem como a energia elétrica gerada a partir do aproveitamento da força eólica e da energia solar, via placas fotovoltaicas.

“Vamos unir as forças do Paraná na área de pesquisa, universidades, setor produtivo e empresarial para trabalhar no incentivo à produção de energia renovável”, disse o secretário de Planejamento, Juraci Barbosa. Ele explicou que um dos principais temas a ser tratado é o uso de dejetos animais, a exemplo de suíno e bovino, para a geração de energia.

APROVEITAMENTO – O Estado tem o maior rebanho de suínos do País, com 7,13 milhões de cabeças, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). “Precisamos dar um fim para os resíduos produzidos pelos animais e um dos destinos poderia ser a energia renovável”, disse Barbosa.

Em setembro de 2017, o secretário participou de uma comitiva, organizada pelo Sistema Faep/Senar-PR, que visitou Itália, Alemanha e Áustria, países onde a energia renovável é uma realidade. “Conheci vários sistemas adotados e isso contribuirá para criarmos um novo modelo para o Estado, que tem grande potencial”, complementou ele.

AÇÕES – O Governo do Paraná tem outros projetos voltados à produção de energia renovável, todos alinhados com a política energética nacional, que prevê redução da participação da hidroeletricidade de 81% para 73% até 2020 e a ampliação da geração de energia proveniente de biomassa de 5% para 10% e da energia eólica de 0,4% para 4%.

Já a Copel criou a Coordenação de Energias Renováveis, focada no desenvolvimento de um modelo de geração de energia renovável não agressiva ao patrimônio natural do Estado.

Outro projeto é o Smart Energy Paraná, feito pela Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior. O programa busca a adequação da rede de energia elétrica convencional em rede inteligente e a disseminação da geração distribuída por fontes de energias renováveis.
Recomendar esta notícia via e-mail:

Campos com (*) são obrigatórios.